A História de Shigeru Miyamoto
Biografia extra-oficial do maior gênio do mundo dos games

Infância e Adolescência

Nascido em Kyoto, em 16 de novembro de 1952, é o segundo filho do casal Iijake Miyamoto e Hinako Aruha, durante sua infância, adorava desenhar, pintar e explorar a paisagem próxima de sua casa e cavernas da região (Que inspirou mais tarde a série The Legend of Zelda).

Seu maior medo era um carrocho extremamente vil do vizinho que ficava preso em uma corrente (Essas foi a inspiração para a criação do Chain Chomp).

Em 1970, Miyamoto se inscreveu na Academia de Artes Industriais e Manuais Kanazawa Munici, onde se formou 5 anos depois (apesar dele afirmar que não era prioridade).

Em 1977 ele conseguiu uma entrevista de emprego de um amigo de seu pai, nada mais nada menos que Hiroshi Yamauchi, o presidente da Nintendo na época, que o contratou como artista no departamento de planejamento (Ainda como aprendiz)

Primeiros passos na Nintendo

O primeiro jogo que o Miyamoto trabalhou foi Sheriff (1979) para Arcades, onde trabalhou nas artes do game,

Depois veio a trabalhar com Radar Scope (1980), jogo de nave muito parecido com Space Invanders que fez um sucesso relativo no japão, mas quando chegou aos Estados Unidos (3 mil cabines foram solicitados pela recém fundada Nintendo of America) foi um completo fiasco, com 2 mil maquinas do jogo encalhadas dando bastante prejuízo para a Nintendo.

Temendo pelo pior, Yamauchi decidiu agir, reutilizou as maquinas já empoeiradas e mandou Shigeru Miyamoto a tarefa de criar um novo jogo afim de salvar a situação da Nintendo nos Estados Unidos.

Miyamoto agora precisava criar algo que levaria a Nintendo ou para as estrelas ou para as ruínas, estava tudo nas mãos dele.

O rumo ao estrelato

Miyamoto com ajuda do engenheiro-chefe, Gunpei Yokoi (o criador do Game & Watch e Game Boy) checaram as maquinas do Radar Scope, e viram que elas estavam bastante velhas, então ele começou a buscar informações sobre programação, hardware e eletrônica (em poucos meses), daí ele começou a trabalhar no que seria o jogo do Popeye, mas a Nintendo não conseguiu os direitos de usar o personagem, então o projeto foi engavetado.

Mas ele não ia desistir tão fácil, ele decidiu criar novos personagens do zero, assim surgiu o que veria a tornar o maior trabalho da sua vida: Donkey Kong.

Donkey Kong (1981) era um jogo onde você controlava Jumpman (Mario) um carpinteiro que precisava resgatar sua namorada Lady (Pauline) das garras do gorilão Donkey Kong (Cranky Kong), premissa simples para um jogo de plataforma inovador, Donkey Kong nos Arcade se tornou rapidamente um sucesso imediato, dando a Nintendo lucros exorbitantes.

Mas nem tudo foram flores para a Nintendo, que enfrentou uma briga judicial com a Universal Studios, que alegou que eles estavam plagiando a marca King Kong, mas graças ao advogado John Kirby, conseguiu provar que King Kong era um domínio público, portanto vencendo o processo da Universal.

Criando novos sucessos

Depois do sucesso de Donkey Kong, Miyamoto foi encarregado de trabalhar na produção de suas sequências, Donkey Kong Jr e Donkey Kong 3, além de outros jogos como Excitebike e Devil World.

Seu próximo grande trabalho seria Mario Bros. onde o Jumpman agora renomeado para Mario junto do seu irmão Luigi, resolvem os problemas nos esgotos de Nova York onde criaturas invadem o local.

Yokoi conseguiu convencer Miyamoto a fazer os personagens utilizarem habilidades especiais e de pular sem se machucar, daí veio a ideia do Mario ser um encanador, e utilizar o subterrâneo de Nova York como o cenário perfeito, o resultado foi previsível: Sucesso absoluto.

Grandes revoluções

Depois de trabalhar em Ice Climbers e Kid Icarus junto com Yokoi, ele trabalhou no Super Mario Bros. (1985) e The Legend of Zelda (1986) ambos aclamados mundialmente, revolucionando com suas largas inovações, abandonando o velho sistema de pontuação para uma exploração mais extensa.

Seus próximos jogos daqui pra frente seriam Zelda e Mario respectivamente, Super Mario Bros. The Lost Levels (1986), Zelda II (1987), e Super Mario Bros. 3 (1990) no qual demorou dois anos para ficar pronto, é claro que todos esses jogos foram sucessos comerciais (principalmente Super Mario Bros. 3).

A era Super Miyamoto

No final dos anos 90 foi criada a Nintendo EAD, formada pela fusão de diversas equipes de desenvolvimento da empresa, onde o Miyamoto é o chefe geral.

No Super Nintendo o Miyamoto se consolidou cada vez mais, ganhando status de mestre, com os aclamados F-Zero (1990), Super Mario World (1991), Zelda A Link to the Past (1992) e Super Mario Kart (1992), mas a sua nova criação não poderia ser mais inovadora, usando o novo chip Super FX com ajuda do Katsuya Eguchi, conseguiu projetar um mundo 3D num console de 16-Bits, Star Fox (1993), uns dos seus trabalhos mais impressionantes.

Mas sua genialidade não parou por aí, ele fez Super Mario World 2: Yoshi's Island (1995), usando o Super FX 2 para criar os gráficos mais impressionantes do console, com cenários feitos a mão, mais tarde em parceria com a Square Soft (Atual Square Enix) para a criação do Super Mario RPG: Legend of the Sevens Stars (1996), onde demorou 1 ano de desenvolvimento, para trabalhar nos gráficos e sistema de batalha, foi outro grande jogo nas mãos do Miyamoto.

Miyamoto em 64-Bits

Se no Super Nintendo Miyamoto se mostrou um gênio da criação, no Nintendo 64 ele revolucionou ainda mais, se tornando um Albert Einstein dos videogames.

Para começar ele criou e desenvolveu Super Mario 64 (1996), um jogo que praticamente revolucionou os jogos 3D, tornando esse o maior exemplo de como fazer um jogo 3D bem feito, inspirando vários jogos mais tarde.

Já em 1997, foi lançado a sequência do Star Fox do Super Nintendo, chamado Star Fox 64 (que era para ser Star Fox 2 ainda no Super Nintendo) consagrando de vez a série nos videogames, expandido ainda mais o universo do jogo com novas possibilidades, Star Fox 64 foi um grande sucesso comercial e de critica, e de memes também (Do a Barrel Roll!).

Mas em 1998, ele criou a sua maior obra-prima, The Legend of Zelda: Ocarina of Time, um jogo que ele trabalhou como produtor, liderando uma equipe de grandes desenvolvedores, sugerindo coisas como uma câmera em primeira pessoa, tudo para criar uma experiência até então nunca vista naquele momento, depois de um tempo de desenvolvimento longo e exaustivo, o resultado não poderia ser diferente: aclamação absoluta, vendeu mais de 7 milhões de cópias, criticas absurdamente positivas, um jogo que revolucionou o gênero ação e aventura, o Miyamoto estava em outro patamar, passando de um mero produtor de jogos, para a mente mais brilhante que o mundo já conheceu.

Outros grandes trabalho do Mestre Miyamoto no N64 foram: Mario Party (1998), Super Smash Bros. (1999), The Legend of Zelda: Majora's Mask (2000) e Paper Mario (2001)

O cubo nas mãos do mestre

No GameCube, Miyamoto enfrentou dificuldades com o maior concorrente da Nintendo na época, o PlayStation 2, mas mesmo assim não ofuscou a sua grande genialidade, ele produzindo jogos como Luigi's Mansion (2001), Metroid Prime (2002), Super Mario Sunshine (2002)Star Fox Adventure (2002) e Assault (2005), The Legend of Zelda: Wind Waker (2002) e Donkey Kong Jungle Beat (2004), alguns desses foram bastantes aclamados, apesar de terem um sucesso relativo.

Sua mais nova criação foi Pikmin (2001), um jogo onde controlamos Olimar em uma missão para restaurar sua nave, usando criaturas floridas chamadas Pikmins para ajudar-lo, essa foi mais uma criação genial da mente de Miyamoto, retirando vários conceitos do Mario 128 para a criação desse jogo bastante inovador e original, fez um grande sucesso, e ganhou uma sequência três anos depois, Pikmin 2 (2004).

Novas possibilidades de movimento

)No Nintendo Wii as coisas começaram a mudar, onde o Miyamoto trabalhou até o esboço no até então Revolution, dando várias ideias para esse novo console, e sua primeira empreitada foi Zelda Twilight Princess (2005-2006), onde as mudanças no Wii foi colocar a espada do Link na mão direita e invertendo os mapas e toda Hyrule.

Depois ele fez jogo mais modestos, Wii Sports (2006), Wii Fit (2007) e Wii Music (2008), mas junto com Yoshiaki Koizumi trabalhou para a criação do Super Mario Galaxy (2007), colocando o Mario no espaço, e o resultado não poderia ser diferente, sucesso absoluto: aclamação e vendas gigantescas.

Ele mais tarde trabalhou no New Super Mario Bros. Wii (2009), Super Smash Bros. Brawl (2008), Zelda Skyward Sword (2011), Super Mario Galaxy 2 (2010) e Punch-Out (2009), que tirando esse, os outros foram sucessos enormes.

3D sem óculos e entrando em outro rumo

No 3DS, ele criou os Remakes do Ocarina of Time e Star Fox 64 (2011), seu mais novo jogo Super Mario 3D Land (2011), Luigi's Mansion Dark Moon (2013), e outros jogos modestos.

Na era do Wii U, Miyamoto criou Pikmin 3 (2012) e Super Mario 3D World (2013), mas as coisas mudaram para o grande Miyamoto a partir do Wii U, agora ele estava se dedicando cada vez menos em criar coisas, para se tornar um mentor em novas criações, assim ele cada vez abandonou o posto de produtor para supervisionar os novos trabalhos da Nintendo, Star Fox Zero (2016) não foi a seu melhor trabalho, sendo considerado bastante medíocre, por outro lado, Splatoon (2015) provou que a Nintendo não precisa do Miyamoto para tudo, deixa-lo como mentor criativo para os projetos da Nintendo seria algo mais correto a se fazer daqui pra frente

Nintendo Switch e legado

Atualmente, os últimos trabalhos do Miyamoto foram Zelda Breath of The Wild (2017), e Super Mario Odyssey (2017), apesar do Miyamoto está cheio de gás, está demonstrando sinais que irá se aposentar, pois ele já está numa certa idade, e uma hora ou outra, isso irá acontecer, não sabemos quando, mas o mundo dos videogames irá se despedir do cara que mais contribuiu para ela crescer e se fortalecer.

Em 1998, Miyamoto teve a honra de está no hall da fama da academia do Oscar (algo que nenhum outro produtor de game jamais teve).

Em 2006, Miyamoto foi listado na revista TIME como os "60 heróis asiáticos".

Em 2007, foi o ganhador do prêmio Life Achievement Award pela sua contribuição no mundo dos games.

Em 2008, ficou em primeiro lugar entre as "100 personalidades mais influentes do ano" pela revista TIME


Com certeza, o legado desse mestre permanecerá para sempre até o fim dos tempos, o que esse gênio contribuiu é algo que nenhum outro já fez, com certeza quando ele partir, o mundo ficará menos alegre, hoje você o conhece como Miyamoto, mas amanhã, você o verá como a "Mente mais criativa do planeta terra".

Smiley face